quinta-feira, 25 de abril de 2013

O colaborador secreto de Janete Clair


Hoje, 25 de abril, Janete Clair faria 88 anos. Foi com as tramas dela - e de Geraldo Vietri - que eu, bem menino, me iniciei nas novelas. Abaixo, uma história que pouca gente sabe: Silvio de Abreu foi "colaborador secreto" de Janete em Sétimo Sentido. A história é linda, ele a manteve em segredo por muito anos e a contou pela primeira vez em Um Homem de Sorte, livro que escrevi para a Coleção Aplauso, da Imprensa Oficial do Estado de Sâo Paulo. Abaixo, Silvio de Abreu fala de Janete Clair.

Francisco Cuoco e Regina Duarte: Sétimo Sentido
"Conversava muito com Janete Clair e passei a frequentar sua casa. Ela escrevia Sétimo Sentido, quando descobriu que estava com câncer e tinha de fazer uma operação. Janete não queria que ninguém soubesse que ela estava doente e muito menos que estava precisando de ajuda para continuar sua novela de sucesso. Eram outros tempos, onde dividir a escrita com um co-autor ou colaborador denotava certa incapacidade. Perguntou-me se eu aceitaria ser seu colaborador em segredo, e era evidente que sim: além do privilégio de colaborar com ela, Janete era uma pessoa adorável. extremamente responsável e fora responsável pela novela de sucesso que eu acabara de fazer. Fiquei no Hotel Savoy carioca, meio que escondido, só me comunicando com ela e com a produção, e escrevi uns 40 capítulos de Sétimo Sentido, que tratava da paranormalidade de Luana Camará (Regina Duarte) e seu amor enlouquecido por seu principal antagonista, Tião Bento (Francisco Cuoco). Aprontava o capítulo e levava para Janete, que corrigia o que queria e mandava para a televisão. Por telefone, acertávamos como seria o outro capítulo, eu escrevia e mandava no dia seguinte. Toda a vez que eu ia a sua casa combinar o que fazer, a encontrava sempre muito mal e era muito triste vê-la com a bolsinha de colostomia.No final da novela, já estava bem melhor, recuperada da operação e o último capítulo é tradição entre os novelistas, é do autor principal do começo ao fim. Ao entregar o penúltimo e despedir-me dela, ouvi no seu desprendimento a melhor maneira de demonstrar seu respeito e seu agradecimento: Vamos fazer juntos, metade cada um. Fiu até a página 15 e ela até o fim. Depois me presenteou com um lindo chaveiro de ouro com meu signo, Sagitário, que guardo até hoje com enorme carinho. E ainda dizem que os grandes mitos da televisão são egoístas e competitivos."

E aqui, o link para ler ou baixar Silvio de Abreu - Um Homem de Sorte






segunda-feira, 8 de abril de 2013

A história das Canções: Foi um Rio Que Passou em Minha Vida


É a criatura mais absurda da música brasileira, o Paulinho da Viola. Aquelas canções dele são o máximo em sofisticação e simplicidade ao mesmo tempo. Melhor a cada vez que se ouve, Foi um Rio Que Passou em Minha Vida segue o estilo Mestre Paulinho.Se um dia Meu coração for consultado Para saber se andou errado Será difícil negar. Ok, nasceu para homenagear a Portela, mas de onde terá vindo a ideia para a canção? Ontem, no Fantástico, Paulinho contou.

No final dos anos 70, ele frequentava uma livraria na Rua México, Centro do Rio de Janeiro e um dia, seus olhos se fixaram em um livro ali exposto: Por Onde Andou Meu Coração. Com esse título na cabeça, compôs a cultuada exaltação à Portela, lançada em 1970.

E que título belo é Por Onde Andou Meu Coração. O livro também é incrível, um dos mais belos de memórias já publicados no país. Foi escrito por Maria Helena Cardoso, a irmã de Lucio Cardoso. E se quiser saber mais a respeito, é só acessar o link abaixo:




Jorge Fernando: Eu sou o show

Releio a entrevista que fiz e da qual guardo ótimas lembranças, na primavera de 1994, com Jorge Fernando. Foi na revista Video News), ...