terça-feira, 4 de maio de 2010

Fuzuê do fumacê

Foi na modorra de uma tarde de sábado, que sábado é sábado em qualquer lugar do mundo. Eram tempos de arrobas. Por trás de cada uma delas, alguém, e palavras substituindo formas físicas, olhos nos olhos, na cadência maluca de um começo de século. E nessa terra sem lei, não obedecendo regras de isolamento, as pessoas teimavam em se encontrar, que gente é mesmo bicho esquisito e inventa as mais diferentes maneiras de concordar com o poeta no é impossível ser feliz sozinho. É assim desde que o mundo é mundo, seu Raimundo, e quanto mais o homem complica, quanto mais globaliza, mais cidade do interior esse mundão fica.

Nem lembro se fazia sol naquele sábado ou se já começara a temporada de chuvas que animou aquele verão. Só lembro que era sábado, uma tarde de sábado e os manda-chuvas estavam em plena caça de criaturas que lançavam baforadas ao deus dará. Foi então que dois arrobas resolveram baforar as maisons e chatôs das autoridades do banir a fumaça, que a cada dia se assemelhavam mais a vampiros de outros tempos – nada a ver com os charmosos seres das trevas True Blood e Crepúsculo daqueles anos.

E sábado, toda tarde de sábado, lá estavam os arrobas malucos no ato frenético, logo batizado de fumacê. E mais arrobas foram chegando, que arroba adora um fuzuê. Vieram até paparazzi e os arrobas debochavam deles. Nada de caras, faces, quens, vejas, épocas e outras impressas, apenas o império das arrobas na fogueira das vaidades de sempre.

Toda tarde de sábado era de fumacê e os sinais, como se anunciados pelos sinos de Belém, chegavam a distantes recantos. Homens e mulheres arrobas se divertiam à mancheia, vestidos de bionças, de madonnas ou de nobres ingleses na tradicionalíssima caça à raposa. Era de chorar fumacês, era de chorar abolições, numa linguagem que, para os arrobas, nada tinha a ver com lágrimas, muito pelo contrário. Que nossa senhora da Queridolândia proteja os arrobas. Obrigado. Amém. Y bolotas.

2 comentários:

Dani Cascaes disse...

Coisa mais linda amigo!
Eu já disse que vc foi um presente que a vida me deu, não disse? Pois então. ;-)

Adoro muito vc!

Beijo!

Fred - Grafiq disse...

Muito legal. Parabéns.
Muito bem escrito. Peculiar e bacana de ler.
Abs

Houve um revólver na minha vida. E fuzil também

Um trezoitão foi personagem de minha infância. Episódio difuso, enigmático, envergonhado, repleto de sombras: só fui saber mais dele quan...