sexta-feira, 19 de junho de 2009

Anjos e demônios de Lou Reed

Berlin, de Lou Red, deve ser um dos discos mais tristes já gravados – não por acaso encerra com uma canção chamada Sad Song. É de 1973, foi um fracasso de vendas, o tempo o transformou em obra prima e há muito frequenta minha galeria de favoritos. Volta e meia, aquelas canções sobre amor, perda e dor retornam a me inquietar. E quase sempre é como se as ouvisse pela primeira vez.
E não é que nessa noite quieta e fria elas estavam à minha espera de um jeito diferente. Ao acaso, assisti na tevê Berlin, um documentário que Julian Schnabel dirigiu a partir de shows que Lou Reed fez em Nova York, em 2006, com as canções do disco.

E o que fez Schnabel? Simplesmente filmou tudo sem a menor afetação e ilustrou aquelas canções maravilhosas com imagens que beiram o onírico. Quem assistiu O Escafândro e a Borboleta sabe que o diretor não é de brincar em serviço. Anjos, a atriz francesa Emanuelle Seigner transformada em Caroline e o melhor: Lou Reed ali, tomado por aquelas canções, exalando sinceridade a cada sílaba. E como atração extra, Anthony nos backings. Bem no finalzinho, Anthony, que é protegido de Lou Reed, solta aquela voz de anjo na clássica Candy Says, e seu corpo parece tremer a cada acorde. É de arrepiar. Ao final, Lou Reed olha pra ele com aquele cara de não tô acreditando (abaixo, o vídeo). Berlin, o filme, é obra-prima. E agora vi que existe em DVD – não descanso enquanto não comprar.

3 comentários:

... disse...

Fiquei feliz de vc ter gostado do meu blog tb. A tal da vaidade...
Sucesso sempre.
Bjo,
Fab's

Fred - Grafiq disse...

Olá Ledesma. Tudo bem?
Obrigado por sua visita ao blog Grafiq. A porta está aberta para próximas visitas.
Para te falar a verdade, sobre o post, não conheço muito bem a obra do Lou Reed, mas tenho um amigo que gosta bastante dele. O pouco que escutei eu gostei. O legal é como alguns artistas conseguem nos tocar as emoções.
Até a próxima.
Obs:- linkei seu blog na minha lista.
Abs

O horizonte me distrai... disse...

Você sempre me surpreeende. E de um aótima maneira. bjbjbjbjbj

Caricaturas anos 60 de astros da música brasileira

O Quem é você de Maria Bethânia, 1968 Duas páginas s emanais assinadas por José Cândido de Carvalho (1914-1989), jornalista e...