domingo, 24 de julho de 2011

Um mistério de Clarice decifrado

Clarice Lispector
“O fofoqueiro que habita em mim tem a maior curiosidade em decifrar de quem Clarice Lispector fala nessa crônica publicada no Jornal do Brasil em 14 de setembro de 1968”.

Assim começava o post que aqui escrevi em fevereiro do ano passado. A tal crônica (que posto abaixo) tratava de um cantor e compositor baiano que ligava pra ela de madrugada. Pra mim, desde a primeira vez que li, era Caetano Veloso. Só podia ser.

Dedé e Caetano Veloso
Bom, agora lendo a coluna de Caetano no Globo (sobre Clarice) ele me confirma. “Há um texto curto de Clarice, escrito para jornal, em que ela relata os primeiros telefonemas que lhe fiz. Honra-me que ela tenha demonstrado surpresa pelo tanto que eu conhecia (e entendia) de seus livros (“Baianos são assim?”, ela se pergunta. Mas assombra-me que ela tenha tido uma reação de starlet mídia-freak: atribui a Dedé, minha namorada na época, um ataque de ciúme que não se deu absolutamente. Ela era bem mulher. Misóginos e amantes das mulheres me entenderão igualmente aqui”.

Pronto: consegui decifrar um dos mistérios de Clarice. “Será que era Caetano??? E Ana, que era ferina com Clarice, Quem será essa Ana??? Quem souber que me conte. Por favor”, assim encerrava o meu post. E porque a vida é louca, porque tudo tá ligado e não existe mistério nenhum nisso, foi o próprio Caetano Veloso quem me contou. Por vias indiretas, certo, mas que Caetano contou pra mim contou.

P.S: Opa, resta ainda uma dúvida: quem era Ana, que estava na reunião e era ferina com Clarice, Caetano?

A crônica de Clarice Lispector:
“Um dia acordei às quatro da madrugada. Minutos depois tocou o telefone. Era um compositor de música popular que faz as letras também. Conversamos até seis horas da manhã. Ele sabia tudo a meu respeito. Baiano é assim? E ouviu dizer coisas erradas também. Nem sequer corrigi. Ele estava numa festa e disse que a namorada dele – com quem meses depois se casou – sabendo a quem ele telefonava, só faltava puxar os cabelos de tanto ciúme. Na reunião tinha uma Ana e ele disse que ela era ferina comigo. Convidou-me para uma festa porque todos queriam me conhecer. Não fui.”

O link pro meu post original:

http://viledesm.blogspot.com/2010/02/clarice-e-o-misterio-do-compositor.html


O link pra coluna do Caetano em O Globo:

http://bit.ly/oF9MRr

2 comentários:

Anônimo disse...

Talvez a mulher de Torquato Neto, que se chama(va) Ana.

Anônimo disse...

Na realidade, a letra desta canção não é do Caetano mas do Torquato Neto. Ou melhor, é um poema do Torquato que o Caetano musicou e de forma magnífica. Eu conheço o poema antes da canção e ao ouvi-lo já musicado, foi como se tivesse sido eu que o compusera. O entrosamento entre a linha melódica típica da modinha brasileira com harmonia modais, renascentistas, trouxeram-me o ambiente do Nordeste de forma viva, encantadora.

Penso que o mais correto teria sido de encaminhar a sua interessante busca junto ao Torquato Neto, autor do poema, mas muito infelizmente este já nos deixou – e muito precocemente – no dia 10 de novembro de 1972. O mistério que tinha Clarice continua irresolvido. Pelo menos, para nós.

Caricaturas anos 60 de astros da música brasileira

O Quem é você de Maria Bethânia, 1968 Duas páginas s emanais assinadas por José Cândido de Carvalho (1914-1989), jornalista e...