quinta-feira, 17 de maio de 2012

A cinderela das discotecas


Houve uma vez um produtor alemão chamado Giorgio Moroder, mago dos sintetizadores e um dos inventores daquilo que viria a ser conhecido por música eletrônica. Foi ele quem, na metade dos anos 70, lançou Donna Summer. Com estardalhaço, Love to Love you Baby (e depois I Feel Love) tomou conta das rádio e das pistas de dança – ainda não se falava em discotecas. E provocou um escândalo semelhante a Je t´aime moi non plus, de Serge Gainsbourg e Jane Birkin, anos antes. A ousadia eram os gemidos de prazer de Donna. Quantas vezes ela “gozava” durante a canção? Pronto, nascia a lenda. Claro que não faltou quem dissesse que era fogo passageiro, cantora de um hit só. 

Negra e linda, as capas dos discos de Donna Summer despertavam fantasias. Um dos mais louvados é Four Seasons que tem ela brincando com a imagem de Marilyn Monroe. Logo foi transformada em diva gay.

Longe do produtor midas ela surprendeu com o duplo Once Upon a Time (1977), a história da cinderela em tempos de discoteca e com todas as faixas assinadas por ela. Donna Summer virou o nome quente da música no final dos 70, superando Dionne Warwick, Diana Ross e companhia. Chegou a lançar três discos duplos em menos de dois anos. Vendeu milhões de discos, estrelou filmes e ganhou o Oscar de melhor canção para Moroder com Last Dance, tema de Até Que Enfim é Sexta-Feira. Morreu hoje, ainda nova, aos 63 anos, de câncer e enquanto preparava um disco novo. 



3 comentários:

Anônimo disse...

Acho que I will survive era com a Gloria Gaynor. Outro sucesso foi Enough is Enough que tem outro titulo e Could be magic, hit inesquecível.

Vilmar Ledesma disse...

Sim, Anônimo, vc está certíssimo: I Will Survive é da Glória. Foi uma daquelas confusões que, às vezes, minha mente insiste em fazer. Assim: eu sei quem é Ingrid Begmann e Katherine Hepburn também. Só que às vezes confundo uma com a outra... risos.

Anônimo disse...

Deu para ver que foi uma pequena confusão.Pelo texto dá para ver que vc era fã dela assim como eu.Valeu !

Houve um revólver na minha vida. E fuzil também

Um trezoitão foi personagem de minha infância. Episódio difuso, enigmático, envergonhado, repleto de sombras: só fui saber mais dele quan...