sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Ventos da destemperança

Quando a angústia se transforma em coisas que não se pode conter, é necessário buscar algum caminho, algum atalho para algo mais próximo da calmaria, que é para aguentar o próximo ataque dos ventos da destemperança, que às vezes costumam acabar a galope e seus golpes ficam mais próximos de algo semelhante a indestrutível. Temei a força dos ventos, principalmente aqueles que chegam com todas as alianças. É só parar para perceber que aquele vento não é só um, mas a junção de todas as forças que foram se reunindo desde que a destemperança começou a se instaurar.

Um comentário:

O horizonte me distrai... disse...

Vilmar, que lindo isso.
que verdade, né?

Caricaturas anos 60 de astros da música brasileira

O Quem é você de Maria Bethânia, 1968 Duas páginas s emanais assinadas por José Cândido de Carvalho (1914-1989), jornalista e...