sábado, 15 de novembro de 2008

Sob o signo da lua cheia

Volta e meia ela faz aparições marcantes, sempre na madrugada, quando os sentimentos calam mais forte, o silêncio domina tudo e o coração voa longe feito pássaro solitário. Agorinha mesmo, segunda hora do sábado, resolveu me surpreender. Pela janela vinha um ventinho frio e saí do sofá pra fechá-la. E não é que lá estava a bela, inteira, enigmática, majestosa, quase sorridente, como se a me espreitar estivesse. Ah, sua danada, esses vôos rasantes diante da minha janela têm sabor de acontecimento. Daqui a pouco... 3:15. "Eres como la noche, callada y constelada. Tu silencio es de estrella, tan lejano y sencillo"

Nenhum comentário:

Houve um revólver na minha vida. E fuzil também

Um trezoitão foi personagem de minha infância. Episódio difuso, enigmático, envergonhado, repleto de sombras: só fui saber mais dele quan...