segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Rourke e Laurie




Neste fim de semana rencontrei duas criaturas que nos anos 80 me encheram de alegria: Mickey Rourke e Laurie Anderson. Ele estava em todos os jornais que anunciavam sua "ressurreição" no festival de Veneza. Laurie fez um show lindo no Sesc Pinheiros.
Rourke nas manchetes de novo? Talvez nem ele mesmo esperasse por isso. "É muito doloroso quando você não consegue mais fazer algo que conseguia e quem percebe isso não é você, mas outra pessoa que vem te dizer", disse o homem que pra mim é mito desde O Selvagem da Motocicleta, um dos trocentos filmes da minha vida. E jogou fora sua carreira há 15 anos atrás por sua culpa, ele reconhece. Ver seu rosto atual - deformado, como Chet Baker antes e depois da queda - não é das coisas mais agradáveis.
Já Laurie Anderson (na foto com o maridão Lou Reed) bem que poderia cantar "Time is on My Side". Símbolo da vanguarda novaiorquina nos tempos de Home of the Brave, ela segue inteiraça, cantando como então e sempre inquieta. Aquela voz marcante segue calando fundo.

Nenhum comentário:

Houve um revólver na minha vida. E fuzil também

Um trezoitão foi personagem de minha infância. Episódio difuso, enigmático, envergonhado, repleto de sombras: só fui saber mais dele quan...